Mictório Unissex

Ecce Homo, Cecília Giménez e o Jesus que virou urso

Posted in Arte, Humor, Internet, Religião, Vídeos by Igor on 24/08/2012

Vocês devem ter ouvido falar daquela senhorinha de Borja, Saragoça, que ~tentou~ restaurar o quadro “Ecce Homo”, do artista Elías García Martínez, não? Se não fique sabendo que é simples assim. Ela tentou restaurar e não conseguiu, a cidade e os religiosos fanáticos ficaram revoltadíssimos porque consideram qualquer representação de Jesus arte sacra e a mulher foi parar na mídia. Eu confesso que nunca tinha ouvido falar dessa pintura, e nem sei porque tanto alarde, mas hoje estou feliz, porque todos nós pudemos assistir à formação de um meme rápido e que já está quase acabando. Veja aí a arte da Cecília Giménez.

Da esquerda para a direita: a pintura original, depois a que foi estragada pelo tempo e por último a restauração.

Os memes começaram e você mal pôde acompanhar. Num país religioso como esse, as imagens simplesmente eram ignoradas e consideradas blasfêmia, mas aqui você pode ver e se deliciar com as melhores montagens adoráveis feitas com o instrumento de um lapso artístico de uma senhora antes desconhecida de Borja.

E pra finalizar, um vídeo magnífico que mostra o filme “Jesus” remasterizado pela gentil velhinha que pode ser vista no final do post com sua carinha fofinha de vovó dos bolinhos de chuva!

Assine a petição que pede que a imagem não seja restaurada aqui!

 

Linkin Park: o novo, o velho e o mais novo ainda

Posted in Arte, Música, Texto, Vídeos by Igor on 16/06/2012

Aposto que você já ouviu alguém falando que o Linkin Park piorou, acertei? Pois é, é quase sempre assim quando uma banda resolve mudar de estilo por questão de evolução no gosto musical dos integrantes e a grande massa que gosta resolve parar de ouvir e dizer que ficaram ruins por causa de mudanças. Eu discordo. Pra mim, Linkin Park melhorou, e tenho a impressão que isso aconteceu por conta da minha mudança de gosto musical também.

Lá pelos mórbidos anos 2000 eu era apaixonado pelo Linkin Park e suas misturas de samples, guitarras distorcidas, etc. Ouvia muito com muitos dos meus amigos. O gosto por Linkin Park era quase unanime nessa minha pré-adolescência. Sempre começava com In The End, Crawling, e essas primeiras músicas incríveis do Hybrid Theory. Depois passou pro Meteora, com Faint, NumbBreaking the Habit. Depois de um tempo, lançaram um CD com remixes de músicas deles com músicas do Jay-Z, o Collision Course. Foi sucesso. Comprei o CD, que acabou me aproximando mais ainda da banda.

Então, lá por 2006, parei de ouvir freqüentemente como ouvia. Foi lançado o Minutes to Midnight e eu não tive vontade alguma de ouvir. Estava completamente satisfeito com os dois primeiros, era como se eu não precisasse de mais. Foram lançados singles que não eram nada pra mim além de músicas de rádio, como What I’ve Done. Mas em 2010 eu abri meus olhos.

Em 2010, fui com amigos pro festival SWU, com a esperança de ver Avenged Sevenfold, Incubus e Pixies muito mais que Linkin Park. Pra mim, Linkin Park era apenas mais um show alí no lineup. Nada mais. Mas aí chegou a hora do show. Eu já estava quase morrendo de frio e cansaço quando aquelas músicas que fizeram parte da minha adolescência começaram a tocar e eu comecei a levar o show a sério. De música em música meu fanatismo foi voltando. Meus amigos envolta cantando as músicas do Minutes to Midnight me fizeram conhecer o álbum. Mas o que mais me impressionou foram as músicas novas. Tinham elementos indianos, também de rock psicodélico, que é, hoje em dia, uma das minhas maiores paixões. Muitas me lembraram Pink Floyd e assim fui me interessando cada vez mais pelo “novo Linkin Park”.

Depois do festival, fui obrigado a ouvir o álbum de 2010, o A Thousand Suns, e me apaixonei. Mandei pros meus amigos que foram pro festival comigo, mas eles não gostaram. Sempre falando que preferiam o estilo antigo. Pois bem, resolvi seguir sozinho com Linkin Park dessa vez…

Agora estamos em 2012 e no dia 26 o novo álbum dessa banda, que é provavelmente a banda da minha vida, vai ser lançado. O Living Things promete seguir o estilo do A Thousand Suns, e estou ansioso. Já lançaram algumas músicas no YouTube e como single, e já tocaram algumas nos shows. Parece ser bom. Não me decepcionará.

O Linkin Park foi uma banda que praticamente me seguiu sem eu saber. Eu gostava do tipo de rock que eles tocavam lá em 2000, e em 2010, 10 anos depois, fui me reencontrar com a banda fazendo músicas que agora me captam. É claro que continuo gostando das músicas antigas. Mas é como alguma coisa mais nostálgica que é os novos estilos. Os novos estilos são novidade. São psicodélicos, são indianos, são meus.

Todos os episódios de 1972 de Chaves

Posted in Arte, Humor, Internet, TV, Vídeos by Igor on 16/05/2012

Estou começando aqui uma sessão onde pretendo postar todos os episódios de Chaves, de 1972 até 1992. Hoje vou postar os de 1972, que são, na verdade, sketchs de um programa maior do Chespirito. Alguns episódios são completos, portanto têm também partes de outros sketchs sem serem da série original de El Chavo Del 8. Espero que vocês gostem!

O Mendigo / Remédio Duro De Engolir / A Moeda Perdida

Os Preços Do Doutor / Quem Canta Seus Males Espanca

O Despejo / O Boxeador / O Piquenique Voador

Procurando Emprego / Sujando o Quico / Os Balões Levam O Chaves

As Novas Vizinhas (ou Beijinhos) (3 partes)

 

 

Os Carpinteiros (dublagem Gábia)

A Zarabatana (dublagem Gábia)

E é claro, antes de terminar, uma lista dos 4 únicos episódios perdidos de 1972…

O Dia da Independência

Este episódio é perdido no mundo todo, inedito. Veja uma foto do episódio aqui.

Madruguinha

Este episódio também é perdido no mundo todo. Veja uma foto do episódio aqui.

Sem Pichorra Não Há Festa

Os Gesseiros

Espero que tenham gostado! Até o próximo post com os episódios de 1973. :)

Mais algumas fotos da campanha “See the unseen” da Spuk

Posted in Arte, Cinema, Design, Mictório Unissex by Igor on 23/04/2012

Lembram desse post do MU lá de 2010? Pois bem, vi um post no Brainstorm #9 sobre uma campanha da LG que me deu coragem de continuar esse das imagens do Spuk. Eu não sei se eu não vi as outras na época ou se não haviam sido feitas, mas enfim. Aqui estão algumas, mais aquela dos Beatles.

As originais aí embaixo, caso você viva em outro mundo.

The crazy singing bird

Posted in Arte, Humor, Internet, Vídeos by Igor on 04/03/2011

Um daquelas animações em flash que fizeram sucesso lá nos passados anos dois-mil… O passarinho que canta Still Loving You ficou famoso em 2001 – DEZ ANOS – quando coisas como vídeo na internet eram inacreditáveis e impossível de ser encontradas. Na descrição do vídeo ele explica que essa é a versão original, editada por ele e antes postada no blog dele, em 2001.

Fazendo você rir há 10 anos.