Mictório Unissex

Os melhores vídeos do YouTube (música)

Posted in Arte, Internet, Listas, Música, Vídeos by Igor on 24/06/2013

YouTubeDesde 2005 a descoberta de músicas na internet ficou muito mais fácil. Antes, as pessoas apenas usavam a internet para baixar ou ir atrás daquelas músicas que elas já conheciam. Hoje a visibilidade é muito maior com a ajuda do YouTube. Você pode ouvir músicas que nunca tinha ouvido antes em lugar nenhum a hora que você quiser, com a ajuda do streaming revolucionário do site. Aqui eu reuni uma lista dos melhores vídeos musicais do YouTube (na minha opinião, claro).

Bobby McFerrin improvisando no Sing!

 

A versão de 11 minutos de You Need Me do Ed Sheeran

 

Três vídeos sarcásticos e extraordinários do Tim Minchin

 

 

 

NADADENADADENADADENADADENADADE

 

Um mashup ao vivo do Madeon

 

O VHS com iPhone

 

Um cover acústico de Daft Punk… Numa igreja

 

Um remix com autotune da entrevista da Sweet Brown

 

E pra terminar em grande estilo…

Um cover tenor, ventage e irlandês de Get Lucky

 

See ya in another post, brothers.

Sobre o Brasil em junho de 2013

Posted in Facebook, Internet, Política, Texto, TV, Twitter, Vídeos by Igor on 22/06/2013

Resolvi fazer uma compilação de vários posts que fiz durante todos esses protestos que você (com certeza) está ouvindo falar. Primeiro, deixo claro que minha opinião mudou durante todo o processo. Muitas vezes. Qualquer incoerência nas minhas opiniões podem ser explicadas por isso. Vou datar os trechos para que vocês possam entender o desenvolvimento da minha argumentação.

13 de junho

Matérias como a do Bom Dia São Paulo de ontem (não achei link) me dão nojo. Disseram o seguinte: “de um lado, vandalismo e gritaria. De outro, a polícia tentando conter os manifestantes. E no meio, a população assustada.”

Eu só queria entender, apesar, é claro, de entender muito bem, o porquê da mídia insistir na ideia de que manifestantes não fazem parte da população. Como se fossem um bando de alienígenas que simplesmente desceram na Avenida Paulista e começaram a gritar e a destruir coisas. Por algum acaso, não são. Eles são, também, a população assustada.

O que mais me impressionou, ignorando a óbvia negligência que fizeram quanto à população que está de acordo com o protesto, foram os takes de cidadãos presos no transito dizendo que “não é possível que depois de um dia cansativo de trabalho ainda sou obrigado a ficar parado na rua por causa de badernista que não tem o que fazer”. Esses são tratados como as vítimas, enquanto os ~vagabundos baderneiros~ são tratados como os vilões.

Eu fico cada dia mais feliz em ver gente na rua. Foda-se se é por 20 centavos ou por 20 milhões. E que quebrem tudo mesmo! Quem paga tem o direito de quebrar o que for. E se os impostos não forem o suficiente pra pagar o concerto de um vidro de uma estação de metrô, eu já não sei mais até onde vai a corrupção.

Um beijo na buceta de cada uma de vocês.

15 de junho

Pra Rachel Sheherazade, a isenção do pagamento do transporte por pessoas debilitadas, estudantes, idosos e etc., são “prejuízo”. Esse é o pensamento da reaça, dos conservadores, da militância direitista. É o pensamento de quem acha que vinagre é arma.

SBT, não sabia que vocês contratavam equinos para apresentar jornal.

16 de junho

Pelo jeito o reporter da CBN passou por tudo o que a imprensa e manifestantes tão passando com a PM, dessa vez no RJ durante o jogo de hoje. Ouçam aí e desconsiderem o título “sensacionalista”…

Engraçado é o coronel (?) da PM de São Paulo dizendo que os manifestantes não deveriam usar máscaras. Cara, você tá com armadura, cassetete, capacete, bomba de efeito moral, gás lacrimogêneo, spray de pimenta, cachorro, helicóptero, cavalaria, e a porra da tropa de choque, e o manifestante não pode usar máscara? Porque não pede pra eles se darem tiros na cabeça? Se for pra obedecer a PM, isso seria muito mais eficaz.

17 de junho

“O povo que está na porta se refere aos jovens da periferia, que são os que mais sofrem com a polícia de Geraldo Alckmin. Eles não vão sair daí. Não há como contê-los e nem o que fazer. São jovens que perderam parentes na mão de policias e tem muita raiva do governador”, disse Matheus Preis, que faz parte do MPL.

18 de junho

Não sei contar quantas vezes eu pensei que queria ver essa imagem. Eu olho pra ela e me sinto lisonjeado. Aquele sentimento que existia quando eu era pequeno, de que o Brasil é uma merda, simplesmente desapareceu. A corrupção ainda existe, os safados ainda estão no poder, ainda tem gente passando fome, a segurança não chega nem perto de estar perfeita, mas o povo está aí. O Brasil finalmente tem rosto, tenha esse rosto um sorriso ou uma marca de bala de borracha. O Brasil, por um momento – e surpreendentemente nesse (!!!) – deixou de ser o país do futebol. A cobertura da copa das confederações no jornal não tem nem metade da relevância que William Bonner esperava. Estamos aqui. A única tristeza que me resta é saber que eu não pude estar lá. Mas estou aqui, olhando tudo. Feliz. Pela primeira vez, feliz pelo meu país.

Imagem

Não sei porque, mas eu tenho a impressão de que a mídia está apoiando as manifestações por um motivo de alienação maior. Eu acho que a mídia apoia a manifestação pra poder dizer “olha que bonita a manifestação sem vandalismo!” Mas o vandalismo muda! Eu tenho medo de dizer que sou a favor do vandalismo, vendo a grande quantidade de pessoas que agora abaixaram os escudos contra a mídia. Elas estão pensando que a mídia agora está do lado delas, completamente. Mas não! Ela está perpetuando a ideia do pacifismo. O pacifismo muda, dependendo das dimensões, mas o vandalismo é parte de uma revolução… O vandalismo é simbólico.

Sobre esse assunto, leiam o texto do Marco Gomes aqui.

19 de junho

Não deixem que o discurso dos coxinhas desanime vocês! O protesto é ESPONTÂNEO, não tem líderes e não tem propósito além do apoio aos protestos nas capitais. Somos o Brasil, e o Brasil é grande. Se cada um cantar a canção que lhe agrada, todos vão ter suas vozes ouvidas. Não queremos ser autoritários quando dizemos que não queremos bandeiras partidárias, apenas queremos. E alguns acham isso ofensivo demais pra lidar. Faça o que quiser, hoje é dia de Lençóis ir pra rua!

21 de junho

Já ouviram falar no “1984”, de George Orwell? Pois é, ainda não chegamos lá, mas tá quase. O Ministério da Verdade ainda não existe, mas a mídia muda de ideia como se os cidadãos burros não lembrassem da opinião conservadora que ela demonstrou nos primeiros dias de manifestações em São Paulo. Um trecho do livro:

“Em 1984, a Oceânia estava em guerra com a Eurásia e era aliada da Lestasia. Não mais que quatro anos a Oceânia estava em guerra com a Lestásia e em aliança com a Eurásia. O partido dizia que a Oceânia jamais fora aliada da Eurásia.”

“Guerra é Paz, Liberdade é Escravidão, Ignorância é Força.”

Pode ser que alguém não esteja entendendo sobre a analogia feita com a Bastilha. Pois bem, eu fui pesquisar e venho aqui dizer pra aqueles que não levavam as aulas de História a sério na escola. Prestem atenção.

Inicialmente serviu apenas como mero portal de entrada para o bairro de Saint-Antoine, mas de 1370 a 1383 o portal foi ampliado e reformado para se transformar numa fortaleza. Após a Guerra dos Cem Anos, começou a ser utilizada pela realeza francesa como prisão estadual. Por volta do século XVIII, serviu como lugar de lazer e depósito de armas do exército, mas o térreo ainda funcionava como uma prisão comum. Registra-se a maior incidência de doenças como pneumonias, devido à temperatura ambiente.

Em 14 de julho de 1789 um jornalista, Camille Desmoulins, até então desconhecido, arengou em frente ao Palais Royal e pelas ruas dizendo que as tropas reais estavam prestes a desencadear uma repressão sangrenta sobre o povo de Paris. Todos deviam socorrer-se das armas para defender-se. Correu o boato de que a pólvora porém se encontrava estocada num outro lugar, na fortaleza da Bastilha. Marcharam então para lá.

O marquês de Launay, o governador da Bastilha, ainda tentou negociar. Os guardas, no entanto, descontrolaram-se, disparando na multidão. Indignado, o povo reunido na praça em frente partiu para o assalto e dali para o massacre. O tiroteio durou aproximadamente quatro horas. O número de mortos foi incerto. Calculam que somaram 98 populares e apenas um defensor da Bastilha. Launay teve um fim trágico. Foi decapitado e a sua cabeça espetada na ponta de uma lança desfilou pelas ruas numa celebração macabra. Os presos, soltos, arrastaram-se para fora sob o aplauso comovido da multidão postada nos arredores da fortaleza devassada. Posteriormente a massa incendiou e destruiu a Bastilha, localizada no bairro Santo António, um dos mais populares de Paris.

A Rede Globo não estava lá, mas podemos dizer que as seguintes manchetes estampariam os jornais atuais, caso hoje isso acontecesse:

No primeiro momento:

“Grupo de manifestantes tentam invadir Bastilha, mas é logo dispersado pela polícia.”

Aqui, seriam tratados como apenas um grupinho de baderneiros que querem chamar a atenção. Ninguém deve se importar com eles, logo isso acaba.

No segundo momento:

“Manifestantes atacam a polícia da Bastilha em ato de protesto contra as supostas irregularidades nas ações dos policiais no primeiro ato.”

Alguma coisa está acontecendo, a mídia precisa mostrar também o lado dos manifestantes, que a aumenta e vai tomando espaço no reconhecimento moral da população.

No terceiro momento:

“Launay tenta negociar, mas líderes das manifestações afirmam que invadirão Bastilha.”

A mídia ainda se coloca do lado do Governo, e expressa as mesmas opiniões dele. Todos estão de acordo com todos. Os manifestantes são os únicos que não querem paz.

No quarto momento:

“Apesar do começo pacífico, parte dos manifestantes entra em confronto com a polícia e invade Bastilha.”

A mídia divide a manifestação em grupos. Os grupos, mesmo dentro, se dividem exatamente da maneira que a mídia quer. Os vândalos são criminalizados e os pacíficos são ignorados.

No quinto momento:

“Após confrontos e invasão, vândalos libertam presos e devastam a Bastilha.”

Continua até o limite o apoio ao governo. Os vândalos agora são reconhecidos como tais, e fazem tudo o que querem. A mídia espera a resposta do governo para uma opinião.

No final:

“Launay é morto, Governo promete reajustes e melhor comunicação com população.”

A mídia abaixa os escudos e passa a noticiar imparcialmente os acontecimentos, ignorando o fato de ter mudado de posição diversas vezes no protesto. O Governo cai, e aos olhos de quem assiste, todos estavam certos.

Qualquer semelhança, talvez não seja mera coincidência.

22 de junho

A ideia dos Anonymous de usarem aquela máscara que vocês viram no V de Vingança não tem nada a ver com o filme (além da propaganda). Ela tem a ver com Guy Fawkes, um cara que na conspiração da pólvora foi preso por querer explodir o Parlamento do Reino Unido. A ideia é usar o anonimato para cometer atos que, segundo a legislação vigente, seriam crime. E de que forma melhor você poderia se esconder a não ser atrás da máscara de um cara que não teve tal destreza? Pois é. O vandalismo está por trás dessa máscara também. Você não tá sendo coerente usando essa máscara e falando que os manifestos são lindos, mas ~sem baderna~.

“Me lembro, me lembro, do cinco de novembro;
Do atentado e da pólvora, se deve saber;
E não vejo razão, para que tal traição;
Um dia se venha a esquecer.”

Sobre a máscara:

“It’s an uniform look,
Everybody looks the same,
It’s a very recognizable face.

It’s easy to find,
Despite all the threads,
It has become a brand.”

Imagem

 

Macacos Aquáticos respondem!

Posted in Ciência, Vídeos by Igor on 27/09/2012

Nunca consegui compreender o porquê da perda de pelo nos macacos durante a evolução, por via de seleção natural. Pensei, e recebi respostas de professores muito parecidas com minhas suposições, que talvez fosse por causa do clima quente, que faria com que os pelos fossem desnecessários. Mas isso não me deixava satisfeito… Qual é a lógica quanto à seleção natural relacionado ao calor? O calor não mata e, pelo que sabemos, seria melhor ter pelos num lugar com muito sol ou calor. Mas enfim, outras coisas me deixavam encrencado: a capacidade de fala dos seres humanos, assim como a capacidade de andar sobre os membros inferiores, e finalmente encontrei respostas.

É claro que não julgo qualquer teoria como correta ou verdadeira, mas essa me chamou atenção por justamente solucionar e explicar de maneira inteligente e concisa as dúvidas que eu tinha. A ciência não prova nenhuma das teorias que envolvem a grande Teoria dos Macacos Aquáticos, mas a lógica responde, e para que eu possa acreditar de verdade, preciso da opinião de pessoas que estudaram biologia, física, e todas essas artes maravilhosas que compõem a Ciência. Aqui vão as teorias com alguns ajustes feitos por mim com a ajuda de artigos e da Wikipédia. Encorajo todos a criticar e tentar explicar como isso pode ser cientificamente provável ou como isso pode ser cientificamente descartado.

Os possíveis motivos da vida aquática dos macacos

Por viverem em áreas onde eram muito prováveis os encontros com predadores de grande porte como leões, os macacos começaram a migrar suas pequenas civilizações (possivelmente constituídas de pequenas famílias) para as costas e beiras de lagos e rios para que, quando um predador chegasse, eles pudessem entrar na água e fugir sucessivamente.

Aqui, um pedaço em inglês do artigo que desencadeou as teorias quanto aos macacos aquáticos, publicado oficialmente em 1960 na New Scientist.

My thesis is that a branch of this primitive ape-stock was forced by competition from life in the trees to feed on the sea-shores and to hunt for food, shell fish, sea-urchins etc., in the shallow waters off the coast. I suppose that they were forced into the water just as we have seen happen in so many other groups of terrestrial animals. I am imagining this happening in the warmer parts of the world, in the tropical seas where Man could stand being in the water for relatively long periods, that is, several hours at a stretch.

Influência da água na postura ereta

Testes atuais mostraram que a maioria das espécies símias, como os Gorilas e Orangotangos, Chimpanzés e Bonobos e etc., se adaptam à água de uma maneira curiosa: a sustentação do corpo inteiro apenas nos membros inferiores, ou seja: em pé (Imagem). Isso acontece pela postura ereta possibilitar a respiração em profundidades maiores e também a locomoção de maneira mais rápida e dinâmica contra correntezas e pressão da água.

A influência da água na perda de pelos

Por causa do clima de savana os pelos dos macacos, que apenas saíam da água durante a noite, quando a maioria dos predadores estava dormindo, demoravam muito tempo para se secarem, o que fazia com que os animais se sentissem com frio à noite. Os que tinham menos pelos eram os mais propícios à sobrevivência, o que fazia com que os únicos aptos à reprodução na vida adulta fossem os com menor quantidade de pelo, fazendo assim a seleção natural por macacos com menos pelos.

É observável que muitos mamíferos que tiveram ancestrais aquáticos, como o elefante, o hipopótamo e o oricteropo (tipo de rato africano) são hoje pelados, ou, têm pouca quantidade de pelos no corpo. Seria isso uma coincidência? Sem destacar que todos os mamíferos que vivem na água não têm pelos, como o golfinho e a baleia.

Controle da respiração que proporciona a fala

A vida na água requeria muita dinâmica na respiração e controle sobre os buracos destinados à inalação de ar e bloqueio da entrada de água. Os macacos com sistemas respiratórios com tendência à formação de narinas e controle total da faringe e, consequentemente, da respiração, eram os únicos a conseguir sobreviver no convívio na água, tendo a capacidade de se reproduzir na vida adulta e passar adiante os genes relacionados à mutação do sistema respiratório.

Obviamente, a capacidade da fala só existe porque temos o cérebro melhorado a ponto de conseguirmos ter total consciência do que se passa no nosso corpo, e com isso, total controle das nossas ações, conseguindo assim formular palavras e montar um alfabeto e um sistema de vocabulário inteligente. Um experimento feito com chimpanzés, que provou que o único motivo que faz eles não conseguirem falar, é o sistema respiratório. Quando foram ensinados palavras simples como “mamãe”, os chimpanzés cobriam o nariz, bloqueando a saída de ar pelo nariz, fazendo com que todo o ar passasse pela boca e permitisse uma dicção quase igual à do ser humano.

Deixo aqui, para terminar, um vídeo da insistente pesquisadora Elaine Morgan, que há anos estuda a Teoria dos Macacos Aquáticos.

Ecce Homo, Cecília Giménez e o Jesus que virou urso

Posted in Arte, Humor, Internet, Religião, Vídeos by Igor on 24/08/2012

Vocês devem ter ouvido falar daquela senhorinha de Borja, Saragoça, que ~tentou~ restaurar o quadro “Ecce Homo”, do artista Elías García Martínez, não? Se não fique sabendo que é simples assim. Ela tentou restaurar e não conseguiu, a cidade e os religiosos fanáticos ficaram revoltadíssimos porque consideram qualquer representação de Jesus arte sacra e a mulher foi parar na mídia. Eu confesso que nunca tinha ouvido falar dessa pintura, e nem sei porque tanto alarde, mas hoje estou feliz, porque todos nós pudemos assistir à formação de um meme rápido e que já está quase acabando. Veja aí a arte da Cecília Giménez.

Da esquerda para a direita: a pintura original, depois a que foi estragada pelo tempo e por último a restauração.

Os memes começaram e você mal pôde acompanhar. Num país religioso como esse, as imagens simplesmente eram ignoradas e consideradas blasfêmia, mas aqui você pode ver e se deliciar com as melhores montagens adoráveis feitas com o instrumento de um lapso artístico de uma senhora antes desconhecida de Borja.

E pra finalizar, um vídeo magnífico que mostra o filme “Jesus” remasterizado pela gentil velhinha que pode ser vista no final do post com sua carinha fofinha de vovó dos bolinhos de chuva!

Assine a petição que pede que a imagem não seja restaurada aqui!

 

Linkin Park: o novo, o velho e o mais novo ainda

Posted in Arte, Música, Texto, Vídeos by Igor on 16/06/2012

Aposto que você já ouviu alguém falando que o Linkin Park piorou, acertei? Pois é, é quase sempre assim quando uma banda resolve mudar de estilo por questão de evolução no gosto musical dos integrantes e a grande massa que gosta resolve parar de ouvir e dizer que ficaram ruins por causa de mudanças. Eu discordo. Pra mim, Linkin Park melhorou, e tenho a impressão que isso aconteceu por conta da minha mudança de gosto musical também.

Lá pelos mórbidos anos 2000 eu era apaixonado pelo Linkin Park e suas misturas de samples, guitarras distorcidas, etc. Ouvia muito com muitos dos meus amigos. O gosto por Linkin Park era quase unanime nessa minha pré-adolescência. Sempre começava com In The End, Crawling, e essas primeiras músicas incríveis do Hybrid Theory. Depois passou pro Meteora, com Faint, NumbBreaking the Habit. Depois de um tempo, lançaram um CD com remixes de músicas deles com músicas do Jay-Z, o Collision Course. Foi sucesso. Comprei o CD, que acabou me aproximando mais ainda da banda.

Então, lá por 2006, parei de ouvir freqüentemente como ouvia. Foi lançado o Minutes to Midnight e eu não tive vontade alguma de ouvir. Estava completamente satisfeito com os dois primeiros, era como se eu não precisasse de mais. Foram lançados singles que não eram nada pra mim além de músicas de rádio, como What I’ve Done. Mas em 2010 eu abri meus olhos.

Em 2010, fui com amigos pro festival SWU, com a esperança de ver Avenged Sevenfold, Incubus e Pixies muito mais que Linkin Park. Pra mim, Linkin Park era apenas mais um show alí no lineup. Nada mais. Mas aí chegou a hora do show. Eu já estava quase morrendo de frio e cansaço quando aquelas músicas que fizeram parte da minha adolescência começaram a tocar e eu comecei a levar o show a sério. De música em música meu fanatismo foi voltando. Meus amigos envolta cantando as músicas do Minutes to Midnight me fizeram conhecer o álbum. Mas o que mais me impressionou foram as músicas novas. Tinham elementos indianos, também de rock psicodélico, que é, hoje em dia, uma das minhas maiores paixões. Muitas me lembraram Pink Floyd e assim fui me interessando cada vez mais pelo “novo Linkin Park”.

Depois do festival, fui obrigado a ouvir o álbum de 2010, o A Thousand Suns, e me apaixonei. Mandei pros meus amigos que foram pro festival comigo, mas eles não gostaram. Sempre falando que preferiam o estilo antigo. Pois bem, resolvi seguir sozinho com Linkin Park dessa vez…

Agora estamos em 2012 e no dia 26 o novo álbum dessa banda, que é provavelmente a banda da minha vida, vai ser lançado. O Living Things promete seguir o estilo do A Thousand Suns, e estou ansioso. Já lançaram algumas músicas no YouTube e como single, e já tocaram algumas nos shows. Parece ser bom. Não me decepcionará.

O Linkin Park foi uma banda que praticamente me seguiu sem eu saber. Eu gostava do tipo de rock que eles tocavam lá em 2000, e em 2010, 10 anos depois, fui me reencontrar com a banda fazendo músicas que agora me captam. É claro que continuo gostando das músicas antigas. Mas é como alguma coisa mais nostálgica que é os novos estilos. Os novos estilos são novidade. São psicodélicos, são indianos, são meus.

As (prováveis?) causas das alucinações pós/pré-coma

Posted in Arte, Artigo crítico, Ateísmo, Ciência, Mictório Unissex, Texto, Vídeos by Igor on 06/06/2012

Desde que nasci fui obrigado pela cultura familiar a assistir à Globo e, no quesito religião, a ir na Igreja e respeitar os espíritas, por boa parte da minha família seguir tal vertente do cristianismo. Pois bem, com esses conceitos mesclados às minhas dúvidas, me apareciam aqueles relatos de pessoas que entraram em coma e testemunharam a si próprios de uma perspectiva diferente e viram a luz no fim do túnel com algum indivíduo lá. Tudo me fazia acreditar que aquilo era real, porque diferente dos testemunhos evangélicos, esses eram mais reais e se encaixavam direitinho nas crenças judaico-cristãs e espírita de onde meus conceitos vinham. E apesar de sempre ter sido meio cético, nada me impressionava mais que esses relatos. Hoje, depois de muita pesquisa, venho a vocês mostrar as conclusões que eu tomei, por impulso do meu próprio cérebro cético, do significado dessas “visões”.

Antes de começar, queria deixar claro aqui que tudo não passa de apenas chutes, não tenho nenhum conhecimento aprofundado sobre neurociência ou comportamento da mente humana. Uso como argumento os fatos que encontrei em artigos devidamente citados e relacionados no final do texto.

Afinal, que é a luz no fim do túnel? E porque nela sempre tem algum santo ou parente falecido? Endel Tulving, importante psicólogo e estudioso da neurociência uma vez disse “A nossa habilidade de relembrar o passado e antecipar o futuro é uma ‘viagem no tempo mental.’”, e é com essa citação que começo a tentar entender como funciona as visões que acontecem depois/antes de um choque.

Pesquisas envolvendo um paciente (K.C.) que se envolveu em um acidente de moto e depois não conseguiu recuperar o poder neurológico de relembrar situações que lhe haviam acontecido nem 5 minutos atrás, mostraram que o nosso cérebro precisa da percepção do passado para criar uma visão mesmo que hipotética do futuro. K.C., quando pedido para imaginar a si mesmo em algum lugar que ele fosse ir no futuro, respondeu aos médicos que a única coisa que conseguia ver era um completo branco. Outro paciente ainda disse que poderia descrever um futuro abstrato, mas que não era capaz de imaginá-lo. Ou seja, a nossa habilidade de pensar no futuro, ter medo da morte, ou até de fazer planos, está completamente relacionada com a habilidade que temos em guardar memórias. Mas prossigamos, que tem mais!

David Eagleman, um neurocientista na Baylor College of Medicine, demonstra com experimentos completamente simples que nossa mente funciona de uma maneira atrasada, levando em consideração o tempo real, o tempo de fato. Segundo ele, demora-se 80 milissegundos para que as informações cheguem ao nosso cérebro, o que nos faz sempre estar atrasados quanto ao tempo natural. “Quando você pensa que um evento acontece, na verdade ele já aconteceu” disse Eagleman. Em uma experiência que pode ser feita em qualquer lugar, Eagleman prova que o nosso cérebro exclui estes atrasos quando estamos realmente tentando perceber algo na prática. Ele diz que se você colocar um dedo no nariz e o outro na ponta do dedo do pé você vai sentir os dois ao mesmo tempo, por mais que o sinal do nariz tenha chegado muito antes do que o do dedo do pé.  Esses atrasos bloqueados pelo cérebro prova que a nossa consciência vive no passado em questão ao nosso corpo e o tempo natural.

Mas o que tudo isso tem a ver com as alucinações que acontecem quando as pessoas relatam ter visões do fim do túnel e de parentes/santos nele? Simples: a percepção do movimento que te causa o coma ocorre antes da sua consciência dar conta do que está acontecendo. Nesses 80 milissegundos, é provável que surjam questões como “onde vou?” ou “vou me encontrar com meu pai/Deus?” Essas questões são todas montadas pelo cérebro humano, que de perfeito não tem nada e que pode causar algum tipo de desconcerto das idéias reais, simplesmente compila todas as informações e junta-as como um filme (que seria aquele tal filme da vida que as pessoas tanto falam que vêem antes de entrar num coma) e a sua percepção do que está acontecendo simplesmente independe da realidade, se torna a partir daí uma fonte gigantesca de qualquer e todo o tipo de alucinação. Se você tem algum problema como o do paciente K.C., você provavelmente não terá alucinações como estas, pois seu cérebro não lembrará de experiências ou faces e não será capaz de montar um destino irracional que possa posteriormente parecer sobrenatural e ao mesmo tempo real.

Espero que eu tenha conseguido passar algumas de minhas idéias malucas que envolvem meu relacionamento sincero e próximo com a ciência. E peço que todos os médicos e neurocientistas que, por algum motivo venham a ler este artigo, ignorem os erros e tentem esclarecê-los para mim. Estou aberto a discussões e queria a opinião de todos para poder criar ainda mais teorias para coisas inexplicáveis que, por serem inexplicáveis, simplesmente são atribuídas à religiosidade. Fique aí com o vídeo que me fez quere falar sobre esse assunto e depois os links de onde tirei inspiração e informação.

http://blogs.scientificamerican.com/observations/2011/09/15/time-on-the-brain-how-you-are-always-living-in-the-past-and-other-quirks-of-perception/

http://en.wikipedia.org/wiki/Benjamin_Libet#cite_note-L1979-14

http://www.cracked.com/article_19659_7-theories-time-that-would-make-doc-browns-head-explode.html

http://en.wikipedia.org/wiki/Coma

http://www.scielo.br/pdf/abo/v68n1/23273.pdf

Todos os episódios de 1972 de Chaves

Posted in Arte, Humor, Internet, TV, Vídeos by Igor on 16/05/2012

Estou começando aqui uma sessão onde pretendo postar todos os episódios de Chaves, de 1972 até 1992. Hoje vou postar os de 1972, que são, na verdade, sketchs de um programa maior do Chespirito. Alguns episódios são completos, portanto têm também partes de outros sketchs sem serem da série original de El Chavo Del 8. Espero que vocês gostem!

O Mendigo / Remédio Duro De Engolir / A Moeda Perdida

Os Preços Do Doutor / Quem Canta Seus Males Espanca

O Despejo / O Boxeador / O Piquenique Voador

Procurando Emprego / Sujando o Quico / Os Balões Levam O Chaves

As Novas Vizinhas (ou Beijinhos) (3 partes)

 

 

Os Carpinteiros (dublagem Gábia)

A Zarabatana (dublagem Gábia)

E é claro, antes de terminar, uma lista dos 4 únicos episódios perdidos de 1972…

O Dia da Independência

Este episódio é perdido no mundo todo, inedito. Veja uma foto do episódio aqui.

Madruguinha

Este episódio também é perdido no mundo todo. Veja uma foto do episódio aqui.

Sem Pichorra Não Há Festa

Os Gesseiros

Espero que tenham gostado! Até o próximo post com os episódios de 1973. :)

Novo clipe do Foster The People

Posted in Arte, Música, Vídeos by Igor on 21/04/2012

Dia 25 sai mais um vídeo do Foster The People, banda que veio aqui no Lollapalooza e que tem músicas extremamente boas… Ve aí em baixo um teaser do clipe novo pra música Houdini, e em baixo uma versão acústica, que tem um violão digno de ser escutado em loop 300 vezes.

O vídeo vai ser dirigido pelos mesmos tios que dirigiram o clipe de Don’t Stop. Aqui a versão acústica de Houdini:

Pessoas diferentes vêem cores diferentemente?

Posted in Arte, Vídeos by Igor on 29/11/2011

O twitter é seu azul, mas meu verde.

Os melhores créditos de abertura da história do cinema

Posted in Arte, Cinema, Design, Humor, Internet, Música, Religião, Vídeos by Igor on 14/10/2011

É o grupinho britânico vangloriado e financiado pelo gênio George Harrison que fez, na minha opinião, a melhor sequência de créditos de abertura da história do cinema. Sim, Monty Python conseguiu mais uma vez não ser apenas genial em um aspecto, mas em vários… A música é genial, os gráficos são geniais, as piadas subliminares são geniais, o filme genial! A abertura não vai estragar o filme, que aliás, você DEVE assistir o quanto antes. Life Of Brian rules!

Lindo, lindo! Em HD 720p então, só deus sabe!

Monty Python’s Life Of Brian no Rotten Tomatoes

O copyright no YouTube e blá blá blá

Posted in Arte, Com desabafo, Internet, Música, Tecnologia, Vídeos by Igor on 21/09/2011

O YouTube é o site de streaming online de vídeo mais visitado e utilizado na internet. O site foi criado em 2005 por Chad Hurley, Steve Chen e Jawed Karim com a proposta de compartilhamento de vídeo, que ultimamente vem sendo mudada para compartilhamento de sua arte – e só sua arte.

Foi lançado há algum tempo uma ferramenta que identifica a ID do vídeo e áudio do arquivo e verifica se o mesmo tem registro de copyright por parte de alguma empresa associada ao sistema. Se você posta um vídeo com 2 segundos de uma música com copyright, seu vídeo é bloqueado ou será adicionado anúncios a ele, e, se algum dia, a empresa responsável pela produção do material resolver te foder a vida, pode te acusar de infringir direitos e cancelar sua conta.

É difícil dizer se tal atitude por parte das companhias e do YouTube é correta, já que é completamente compreensível que produtos registrados não devam ser usados sem supervisão ou aprovação do proprietário dos direitos. Mas e o artista? Se tudo fosse como é no YouTube, estaríamos ferrados.

Um vídeo considerado legítimo pelas normas do YouTube seria um vídeo com imagens suas, áudio seu, música sua, e tudo seu! Não existe compartilhamento de informação por criação ou arte. É tudo burocracia! Se as normas tivessem sido seguidas desde o começo, posso dizer que pelo menos metado dos vídeos viralizados no YouTube não seriam o que são. O que seria do Evolution of Dance sem as músicas? O que seria do gordinho Numa Numa sem a música? O que seria do garoto pianista e prodígio que cantou Lady Gaga no show de talentos e ficou famoso? Nada.

O YouTube deveria criar um formulário na inscrição que seria avaliado posteriormente para aí sim a conta ser liberada. Um formulário com informação do que era preciso para que os vídeos não fossem bloqueados. Perguntas como “pretende usar material de terceiros?” e “contate o dono desse material” faria tudo mais fácil. Sejam sensatos.

Não importa se o trecho do material usado é menor que 30 segundos, ou que você tenha comprado o CD. O material NÃO deve ser disponibilizado se não for completamente criado por você.” Disse o YouTube… Concordo que não se deve colocar o material completo – como episódios inteiros de seriados ou novelas etc.-, mas não é por isso que devemos sofrer por usar material não produzido por nós. Acredito que, hoje em dia, pouco tem produção integral pertencente a apenas uma pessoa. Pouco.

YouTube não ficou famoso por vídeos caseiros. Hoje a maioria consiste em vídeos caseiros, mas no começo, YouTube era uma alternativa de streaming de qualquer tipo de material. É preciso fazer com que empresas maiores entendam que a disponibilização de parte do conteúdo original é também uma forma de distribuição e divulgação. E não pagariam nada por isso! O sistema é kinda burro.

Se não podemos ter televisão na internet, então porque a televisão pode ter a internet?

Ano por ano das plásticas de Michael Jackson

Posted in Arte, Música, Texto, Vídeos by Igor on 14/05/2011

Já fiz aqui nesse blog alguns posts falando de Michael Jackson, mas mais especificamente sobre suas plásticas e a mudança de cor causada pelo vitiligo, fiz apenas dois; um pra cada assunto. O primeiro foi sobre o vitilígo e o segundo sobre as plásticas. Mas ainda insatisfeito com o esclarecimento, precisei fazer uma pesquisa mais profunda acerca dos anos e datas em que aconteceram as mudanças e com isso fiz um vídeo. Vê aí o vídeo e, se quiser traduzir pro pessoal que não entende inglês, por favor! Eu coloco o nome no post e atualizo com o texto.

Veja os dois outros posts sobre plásticas e vitilígo aqui no Mictório nos links abaixo.

As plásticas de Michael Jackson

Vestígios do vitilígo de Michael Jackson

Symmetry

Posted in Arte, Design, Vídeos by Igor on 13/05/2011

E mais uma vez, a arte…

Peguei d’aqui.

Sentimentário

Posted in Arte, Cinema, Internet, Texto, TV, Vídeos by Igor on 11/04/2011

Quantas vezes já nos pegamos dizendo “eu achava que isso era tão grande quando era criança”? As crianças enxergam tudo diferente. Um brinquedo do parque vira um foguete; um bolo vira um castelo de chocolate; um cheiro, que “aperta um botão que faz passar um filminho na nossa cabeça“, vira lembranças… É de tudo isso que trata Sentimentário, a história de uma criança que fica indignada com a frieza passada pelo dicionário e resolve criar o seu próprio. Veja o vídeo clicando na imagem:

O vídeo está concorrendo no Festival de Vídeo Tela Digital, e eu venho pedir a vocês que votem no Sentimentário. Eu sei que a burocracia é grande, envolvendo o cadastro gigante e etc., mas é por uma boa causa! A arte. A arte moderna, que parece não existir, mas que está oculta nas nossas cabeças e nossas mãos. É só fazer o cadastro e clicar nas estrelinhas para avaliar! Obrigado, galerinha.

Oi galera, tudo bem?

Posted in Internet, Política, Twitter, Vídeos by Igor on 31/03/2011

Era uma vez uma senhora que jogava todos os dias os jogos em flash da empresa PayMentez pelo Orkut, em especial o “Colheita Feliz”. O jogo, por falhas de administração responsável, colocou uma promoção no ar e não cumpriu o combinado aos vencedores. Essa mesma senhora fez um vídeo em reclamação à empresa dona da marca e correu atrás de seus direitos. O nome dela é Tulla Luana, também auto-intitulada “Web Diva”.

A moça ficou famosa. A revolta de uma consumidora é facilmente aceitável. A raiva e a frustração mostram humildade e confidencia. A questão foi: como uma mulher de mais de 30 anos pode perder dias da sua vida jogando jogos destinados às crianças?

Algumas pessoas começaram a postar informações pessoais da senhora Tulla Luana, como seu endereço, CPF e, principalmente dívidas não quitadas. Tulla Luana fez um vídeo “esclarecendo” sua situação, dizendo que é portadora de esquizofrenia e que por isso não consegue sair de casa, precisando de um entretenimento. Aceitável, se essa explicação não fosse totalmente recheada de xingos, palavrões, e ofensas.

Pronto. Começou a saga “Tulla Luana”.

A moça teve a magnífica idéia de desabilitar a avaliação e os comentários dos vídeos, o que faz com que ela não tivesse noção nenhuma da porcentagem das visualizações que realmente admira as atitudes dela e da que a odeia. Isso implicou numa falta de entendimento extremo. Tulla levou em conta apenas o numero de visualizações e, sem noção do que isso significa, se intitulou “Web Diva Tulla Luana”. Web Diva?

Uma das últimas e mais polêmicas atitudes da mulher foi pedir uma máquina Compacta Print a um ex participante do Big Brother Brasil e ao portal R7 da Rede Record. Ela pediu a máquina a essas entidades e não conseguiu. Ficou brava, bateu perna, e se arrependeu de se expor extremamente ao ridículo por uma máquina que apenas seria usada para confeccionar camisetas com a “marca” Web Diva Tulla Luana.

Ela ligou pra central de atendimento da Compacta Print e pediu pela máquina. Foi dito a ela que, se o Ratinho não aceitasse a proposta de ceder a máquina a ela, eles se encarregariam de dar a máquina. Um tempo depois, foi desmentido o fato da doação e Tulla se revoltou. Xingou a empresa e disse que vai processar. É assim que funciona pra ela. Se ela não consegue por caridade, ela consegue pela justiça. Maquiando um motivo racional ao ponto de vista da justiça. Julguem.

Senhora Tulla, as vezes é preciso um pouco de bom-senso.

The crazy singing bird

Posted in Arte, Humor, Internet, Vídeos by Igor on 04/03/2011

Um daquelas animações em flash que fizeram sucesso lá nos passados anos dois-mil… O passarinho que canta Still Loving You ficou famoso em 2001 – DEZ ANOS – quando coisas como vídeo na internet eram inacreditáveis e impossível de ser encontradas. Na descrição do vídeo ele explica que essa é a versão original, editada por ele e antes postada no blog dele, em 2001.

Fazendo você rir há 10 anos.

A Internet Brasileira

Posted in Humor, Internet, TV, Vídeos by Igor on 27/02/2011

Ou o roteirista é um idiota viciado em nacionalidade ou a TV de fato ainda não entendeu a internet…

Durma com essa.

O Cinematógrafo

Posted in Arte, Cinema, Design, Internet, Vídeos by Igor on 30/01/2011

Desde pequeno ouço a pergunta “O que você vai ser quando crescer?” E tenho a sensação que já falei sobre isso em algum lugar. Hoje sei o que quero ser quando crescer, mesmo sabendo que já cresci e que está sendo difícil me tornar o que quero ser. Quero ser diretor de fotografia, fotografo, cinegrafista, cinematógrafo.

Criei um blog que fala exatamente sobre fotografia, não importando ser ela de algum filme, vídeo-clipe ou curta. Se a fotografia é boa e merece crítica, ela está lá. Hoje postei minha opinião sobre o clipe do último single póstumo de Michael Jackson, Hold My Hand, cujo link você encontra aqui.

Espero que vocês apreciem o blog e que acessem freqüentemente. Obrigado!

Jason deCaires Taylor – A Evolução Silenciosa

Posted in Arte, Design, Vídeos by Igor on 19/10/2010

O artista inglês Jason deCaires Taylor, conhecido por suas esculturas embaixo d’água apresentou nos últimos dias sua nova obra intitulada “A Evolução Silenciosa”. A escultura foi colocada a nove metros de profundidade na Ilha das Mulheres no Caribe do México. Veja algumas fotos da escultura que chama a atenção de mergulhadores e até de revistas, como a National Geographic e a BBC.

Para ver mais, clique aqui.

Porque votar na Dilma, ou ir contra José Serra

Posted in Crônicas, Internet, Política, Texto, Twitter, Vídeos by Igor on 19/10/2010

Eu fico impressionado quando vejo gente declarando apoio e voto a José Serra, do PSDB. Quando pergunto os argumentos, aí sim vejo um monte de merda saindo da boca de gente mal instruída e que não conhece o real governo estadual do Mr. Burns, assim como eu. Esse cara hipócrita e mentiroso teve a capacidade de dar a seguinte resposta quando perguntado se conhecia Paulo Vieira de Souza, apelidado de “Paulo Preto”: “Eu não o conhecia por esse apelido, pois eu acho isso discriminação e preconceito, blá blá…” Porra, até a minha vó sai de uma polêmica melhor que o senhor, senhor governador. Tenha apenas um pouco mais de respeito com os cultos que votarão no senhor; os que entendem o que o senhor diz; os que conseguem entender hipocrisia. É claro que isso não teve nenhuma repercussão, já que o debate foi transmitido pelo pequeno canal RedeTV!. Já estou cansado de falar nesse blog sobre o que eu considero hipocrisia quanto a esse assunto de preconceito hipócrita. Vamos ao que importa.

A filósofa Marilena Chaui, professora da Universidade de São Paulo (USP) fala nessa coleção de vídeos um pouco sobre os avanços do governo Lula, as características do candidato José Serra e experiências pessoais envolvendo a candidata a presidente Dilma Rousseff. Veja o primeiro vídeo abaixo e o resto nos links seguintes.

Os links para os outros três vídeos são os seguintes: vídeo 2, 3 e 4.

Abaixo, veja dois infográficos de balanço feito pelo designer Bruno O. Barros comparando os aspectos do governo FHC e Lula.

Você pode ver os dois infográficos em tamanho maior no site do ilustrador.

É uma questão de abrir os olhos, pesquisar e aguçar a crítica própria. Não quero mudar a opinião de ninguém, apenas demonstrar de forma simples e usando argumentos externos o porque do meu apoio. Não recebi nada pra isso.

Review do novo Twitter (#newtwitter)

Posted in Guia Prático, Internet, Twitter, Vídeos by Igor on 20/09/2010

Quando recebi o convite pra participar do preview do novo Twitter, achei que todos tinham recebido, mas não! Eu e poucos usuários fomos selecionados para testar a nova versão, que ficou bem mais simples e fácil, apesar dos errinhos que eles provavelmente arrumarão antes de tornar a versão mundial. Fiz um review pra desmonstrar todas as considerações que tive depois dessa semana de uso. Olhaí!

A Timeline

Levei um susto ao entrar nessa timeline full screen com tanto informação. Estava acostumado com a simplicidade que era a timeline e o perfil que o Twitter tinha nos ensinado como estereótipo. A barrinha de busca ficou lá encima, junto com os botões que antes ficavam juntos no canto superior direito da tela. Em baixo, a timeline, como sempre foi, com algumas modificações – tiraram a caixinha de diálogo que aparecia e incomodava quando se passava o mouse no nick das pessoas da timeline! Do lado, os Trending Topics, miniaturas dos avatares dos followers e followings, o último favorito, último tweet e listas.

Replies

Antes, era preciso clicar no botão “in reply to —” para saber qual era o começo do diálogo exposto no tweet; agora, um simples clique no tweet abre uma janela avulsa que mostra o início da conversação e tudo relacionado a ela. Achei muito boa a idéia. A maneira de dar o reply também mudou, veja abaixo.

Essa é a caixinha de diálogo que abre quando você clica em Reply, embaixo do tweet. Nela você tem o tweet que você quer dar reply e as opções de localidade que a nova versão oferece.

Retweet

A primeira coisa que se nota quando o botão de Retweets é clicado é que agora ficou bem mais fácil/rápido chegar à página que mostra os seus tweets que foram retweetados, antes era preciso ver os retweets dos outros pra depois ter os botões para ver os seus tweets. Agora ficou mais prático. A caixa de retweet é parecida com a de Reply, só que só com dois botões pra confirmar ou não o retweet.

Agora um pouco da página dos retweets seus, retweetados:

O sistema aí é o mesmo do reply: quando você clica no tweet que quer ver a quantidade de retweets, quem retweetou e tal, uma janela avulsa se abre mostrando todas as informações, inclusive o lugar de onde o tweet foi postad, se disponíveis as configurações de localidade, obviamente.

Mídia

Agora dá pra ver as imagens e vídeos na janela avulsa que o Twitter criou. Uma ferramenta que antes era exclusiva dos aplicativos agora é oficial do Twitter, fotos do Twitpic e vídeos do YouTube são mostrados ao clicar no tweet com algum link para fotos ou vídeos.

Direct Messages

A caixa de Direct Messages, as famosinhas DMs, agora está mais parecida com uma caixa de mensagens usual, como as do YouTube e até mesmo de e-mails. Veja no exemplo que as mensagens são divididas por usuários, e ao clicar no nome, aparece toda a conversação por DM que existiu. O @wesleycota tava falando mal de um coleguinha do Twitter alí, eita! HAHA, oi.

That’s all folks! Acho que isso era tudo o que tinha pra ser falado sobre a nova versão do Twitter. Eu não sei se vai demorar muito pra ela ser liberada pra todo mundo, mas espero que não, e também que as falhas sejam resolvidas e tudo fique normal. No começo, não se assustem, mudou bastante coisa, mas você vai se acostumar. =D

O melhor cover de Michael Jackson do mundo

Posted in Internet, Música, Vídeos by Igor on 17/09/2010

E ele é brasileiro! A história de Jean Walker é surpreendente: O cara era taxista em Belo Horizonte e do nada foi descoberto por um casal que começou a divulgar o artista. Ele nunca performou em palcos e nem nunca mostrou seu talento a nenhum grande público. Depois de um tempo de YouTube, Jean conheceu o cover Ricardo Walker, que o chamou pra participar de performances e gravações futuras. Jean aceitou, e agora os dois trabalham juntos como os The Walkers. O cara é foda bagarai, vê aí ele cantando “Another Part Of Me” (quem não conhecer a música original e quiser ouvir antes do cover, veja aqui):

Eu sei que pode ser besteira minha falar que ele é o melhor cover do mundo, mas, sério: ele foi o melhor cover de Michael Jackson que eu já vi. Conhecia um americano que escorregava em algumas notas, mas Jean consegue ser perfeito em algumas músicas, a única falha são os erros de letras, mas quem se importa com isso?

O invasor de camas

Posted in Humor, Internet, Música, Vídeos by Igor on 08/09/2010

Ele está subindo as janelas, destruindo seu povo, até tenta estupro. E por isso você precisa esconder seus filhos, sua esposa e o seu marido, porque eles estão batendo em todos aqui. Você não precisa vir e confessar, nós estamos te procurando. E vamos te achar… Então, você pode sair e contar pra todo mundo, babaca.

Home boy…

A filosofia dos haters e pseudo trolls

Posted in Internet, Vídeos by Igor on 11/07/2010

A pessoa acha que, por estar em evidência, é obrigação dela conhecer, acompanhar e opinar sobre alguma coisa, esse é um dos motivos pelos quais haters gostam tanto de xingar pessoas que fazem sucesso na internet. O segundo motivo é o fácil acesso ao contato.

Pessoas como o Felipe Neto e o P.C. Siqueira, dois caras que fazem sucesso postando vídeos de criação própria no You Tube, são vítimas de xingamento e esculacho por que estão fazendo sucesso. A pessoa ignorante que não gosta e assiste, xinga. Xinga porque não gosta de ser obrigado a assistir. Obrigado por sua própria filosofia tosca e coletiva de sociedade e dever. É tenso e é tosco. Mas é assim que é e nunca vai deixar de ser. Veja abaixo um vídeo do Felipe Neto que reporta um pouco da personalidade de haters e “pseudo” trolls.

E é isso. Pense nisso.

Um vídeo subido 1,000 vezes no YouTube

Posted in Internet, Vídeos by Igor on 06/06/2010

Um cara chamado Patrick Canzona resolveu criar um projeto chamado I Am Sitting In A Video Room, que tem como proposito mostrar às pessoas como um arquivo digital com áudio e vídeo se deforma se consideradas as perdas de qualidade para fácil streaming. Ele subiu um vídeo explicando sobre o projeto, baixou esse vídeo do YouTube, subiu de novo e fez isso de novo por 1,000 vezes, até que conseguiu o resultado que esperava. No último vídeo não é possível determinar o que acontece nem o que é falado. Veja abaixo os vídeos 1 e 1.000 e veja a diferença. Para ver o resto, clique no nome de usuário no começo do post.

1

1,000

O projeto demorou pouco mais de um ano para ser concluído.