Mictório Unissex

Meus contos publicados na Skynerd

Posted in Arte, Crônicas, Internet, Literatura, Texto by Igor on 06/11/2012

Bom, galera, vocês sabem que em alguns posts aqui no Blog eu tento me relacionar um pouco mais pessoalmente com os leitores, e apesar de eu saber que não tenho tantos visitantes freqüentes assim, é como se fosse uma necessidade. Pois bem. O Jovem Nerd, do qual já falei bastante aqui no blog, criou uma rede social esse ano, e agora o pessoal começou a postar contos e todo tipo de conteúdo literário por lá. A ideia foi genial, já que a Skynerd é um lugar precioso para receber feedback de pessoas com interesses comuns aos seus. Enfim, publiquei alguns contos por lá e resolvi trazê-los pra cá. Espero que gostem.

Conflito visto do penhasco

Enquanto olhava para o horizonte pensava quantas vezes namorara o penhasco onde estava se equilibrando prestes a se matar. Era o lugar para onde a visão da janela de seu pequeno quarto, num apartamento encima de um bar, apontava. Era pra esse penhasco que olhava quando estava pensando sobre autenticidade, sucesso e motivos. Passara praticamente toda a vida pensando no que poderia ter feito diferente que teria feito sua vida ter significados que nenhuma outra vida tinha tido até agora. Procurara desafios que talvez tivesse ignorado, ou talentos que não tivesse descoberto em si, mas não havia sinais de encontrar tais coisas, e a única coisa que estes pensamentos pareciam causar eram dores e comoções egoístas.

O vento soprou calmamente sobre seu corpo. O horizonte estava limpo, um dos céus mais bonitos que havia visto em sua vida: um sol se pondo amarelo, e nuvens pequenas e assimétricas compondo uma bonita obra de arte. Olhou pra baixo e viu em um relance um grupo de cavalos correndo em direção a um lago. Olhou cuidadosamente e percebeu que ali tinham mais ou menos 10 cavalos, dentre eles filhotes. Continuou olhando, meio arrogante, para o horizonte, sentindo seus lábios secarem com o vento. Olhou de novo para os cavalos. Não era muito comum ver tantos cavalos juntos nestas redondezas (a última vez que seu pai havia dito ter visto cavalos por perto fora quando caçadores estrangeiros estavam hospedados no chalé perto do bar). Percebeu que pelo caminho onde estavam seguindo, sem dúvidas encontrariam uma grande quantidade de leões que estavam destroçando alguns animais mortos, escondidos pela vegetação num canto do lago. Ficou olhando para o grupo de cavalos cada vez mais perto dos leões. Pensou que poderia tentar ajudar, mas percebeu que seu a hipótese era idiota. Não pudera nem ajudar sua própria mente a seguir um caminho saudável.

Lágrimas surgiram nos seus olhos e escorreram em seu rosto seco enquanto os cavalos foram chegando perto dos leões. Sentia compaixão. Talvez a vida fosse como a comida correndo para o prato do predador. Que a Morte é o predador que está esperando você chegar ao prato, sentada, paciente. A Morte provavelmente gosta de sofrimento e de vidas sem significado, são essas aquelas que ela mais degusta. A Morte provavelmente espera que todos acabem chegando a seu prato com alegria, ignorância e satisfação.

Os cavalos pararam. Fez-se um silêncio na terra embaixo dele. Um silêncio que nunca tinha presenciado desde que se considerara um amante do silêncio. Os pássaros pararam de piar, as árvores pararam de responder aos movimentos causados pelo vento, o vento parou de soprar, e percebeu – sem perceber – que seus pensamentos também haviam parado. Ele percebeu que a tensão e a agonia dos cavalos tinham o atingido, e percebeu que todos os pensamentos que tivera por toda a vida estavam destinados ao fim, naquele momento, assim como os cavalos. Os leões viram os cavalos, e saíram em direção. O silêncio cessou. E assistiu de cima do penhasco uma das cenas mais violentas de sua vida. Uma luta de vidas e covardias. Assistiu leões famintos voarem na direção de cavalos desesperados que em menos de minutos eram destroçados, e a imagem dos cavalos cavalgando e parando voltava a sua mente e lhe faziam sentir a impotência e insignificância de suas ações. Os cavalos que conseguiram, fugiram. Os que não, já não existiam mais. Eram nada mais que uma pedra. Sumiram. Inexistiram.

O silêncio pairou novamente, mas agora com o som dos pássaros e do vento. Como se tudo tivesse acabado. Como se nada tivesse acontecido. Como se aquelas vidas antes existentes não estivessem agora se desintegrando e inexistindo, como uma imagem que vai se apagando. Era fácil perceber que a normalidade e a eternidade não tinham dó. As duas continuariam a acontecer infinitamente, sem um fim, por mais que constituída por coisas inexistentes e frias, sem vida. A Morte era a única que nunca morreria, e continuaria com seu prato vazio, faminta e ansiosa. Deu um passo para traz, olhou pros próprios pés e disse: “hoje, Morte, terás fome.”

Meia-noite e Cinco

A sala número 01 do hospital estava fria apesar da grande quantidade de gente que estava ali. A enfermeira nunca vira uma sala tão cheia de gente como aquela, talvez nos dias em que algum famoso estivera internado, mas só. Os sussurros das conversas na sala quase cobriam o baixo barulho de choro de uma mulher que estava sentada ao lado da cama de um senhor muito velho. A máquina ao lado da cama estava apitando constantemente, com pequenas pausas, e todos na sala sabiam que isso era sinal de que o ancião ainda estava vivo. O barulho que mais aterrorizava os pensamentos de sua família era o da máquina apitando sem parar, indicando a morte. A última vez que seu avô acordara, apenas perguntara que horas eram e, depois de ouvir a resposta, voltara a dormir. A neta nunca esqueceu que horas eram, pois depois do que os médicos disseram, essas poderiam ter sido as suas últimas palavras para o avô. Eram onze e meia da manhã.

O grupo de pessoas dentro da sala acordou de um profundo transe de pensamentos quando ele acordou e tossiu. Todos pararam qualquer conversa ou atividade e encararam-no, como se houvesse um fantasma na sala. O velho olhou de olho pra olho e de cara pra cara, como se estivesse procurando por alguém, e viu seu bisneto. Antes de dizer qualquer coisa, perguntou à neta que horas eram. Um sentimento de revolta tomou conta do corpo dela, pensando nos momentos felizes e no descaso que o avô estava demonstrando apenas interessado nas horas. Respondeu que era hora dele se despedir da sua família. Uma gota de lágrima escorreu do olho do velho, molhando o travesseiro. Ele deu uma respirada pesada e perguntou as horas de novo, desta vez sorrindo. “Onze e meia”, respondeu a neta, choramingando. “Há exatamente doze horas desde a última vez que acordei e te perguntei as horas, certo?” perguntou o ancião, com a voz rouca e pigarreando. “Ou já estamos no outro dia?” Ela olhou para o avô e respondeu “Sim, há doze horas.”

O velho olhou de novo para o bisneto e lhe fez um sinal para que chegasse perto da cama. O menino, que tinha pouco mais que sete anos, chegou se arrastando à cama e olhou para o bisavô. O bisavô pediu que ele se aproximasse. Ele se aproximou. O bisavô disse poucas palavras em seu ouvido e o garoto virou de costas para a cama e caminhou em direção da porta. A mãe do garoto e todas as outras pessoas olharam-no passando calmamente até o corredor e não falaram nada. O apito da máquina ao lado da cama agora parecia mais alto que antes. Ninguém falava nada. Todos estavam esperando alguma coisa acontecer. Um susto fez todos olharem para o velho, que tinha dito alguma coisa incompreensível. Ele limpou a garganta e falou de novo. “Quero que quando o garoto voltar vocês todos saiam do quarto até eu pedir que voltem.” A voz autoritária do avô lembrava a neta de sua infância, quando corria pela casa e quase quebrava os cristais de sua avó, expostos numa cristaleira. Lembrava-se também das vezes que montara na moto do avô sem pedir permissão. Era esse o tom de voz que vinha chegando de longe quando o avô percebia que alguém estava na garagem.

Todas as pessoas que estavam no quarto saíram da sala e deram de encontro com o garotinho, trazendo uma caixa de veludo azul com aparência muito velha. A caixa era do tamanho de uma caixa de CD. A mãe nunca havia visto aquela caixa na vida, e perguntou o que era. O garoto respondeu que o bisavô havia pedido para ele pegar a caixa com uma enfermeira e que não sabia o que havia dentro. Ele entrou no quarto, todos ouviram o velho pedindo para o garoto fechar a porta, e o garoto o fez.

“Venha cá, meu filho” começou o bisavô para a criança, “eu sei que você não tem muitas memórias comigo. Eu sei que eu posso ter te decepcionado algumas vezes. O seu pai nunca gostou de mim, por isso não nos víamos tanto, mas você é o filho mais novo da minha família. Você será a pessoa que eu quero que proteja minha casa e minha família. Aí nesta caixa, está um relógio de bolso.” O garoto estava olhando vidrado para o bisavô. Ainda não tinha entendido quase nenhuma palavra do que o velho dissera, e estava ficando meio assustado. “Que horas são?” perguntou o velho, quebrando o silêncio. “Não sei.” Respondeu o garoto. “Olhe no relógio, está funcionando!” respondeu. “Mas eu não sei ver horas neste relógio!” suplicou o garoto. “Meia-noite.” Disse o bisavô. “Você sabe que dia é hoje, não sabe? Hoje é seu aniversário, meu filho. Hoje faz oito anos que você nasceu. A partir deste ano você terá noções do mundo, terá ensinamentos valorizados. Terá amigos, inimigos, crenças, decepções, corações partidos e, finalmente, amor. Todos nós somos destinados ao amor. O amor é o sentimento mais forte do mundo. Ele acontece de maneira inexplicável nas famílias, entre os namorados, entre os amigos, ou entre os animais. O amor é o sentimento que você deve querer alcançar. É o sentimento que a morte não vai destruir. A morte te acostuma a coisas que você nunca aprenderá a se acostumar de novo, ao pesar, à pena, à saudade. Hoje, meu filho, você faz aniversário. Hoje faz oito anos que você nasceu, e a partir de hoje, será o dia que você sempre lembrará quando vir este relógio. O dia em que seu bisavô morreu.”

Um silêncio extremo tomou conta da sala. O único som que o quebrava era o som do apito da máquina. O garoto não sabia o que fazer. Pensou em chamar a mãe, mas devia haver algum motivo para seu bisavô ter pedido para fechar a porta. Depois, pensou em chorar, mas não tinha vontade. Pensou em dizer alguma coisa, mas nada saía de sua boca, nem um adeus. O bisavô voltou a falar. “Puxe aquele cabo ali.” Disse. “Mas o que vai acontecer?” cuspiu o garoto. “Eu vou morrer.” respondeu o bisavô, sorrindo. “Morrer?” perguntou o garoto. “Sim. E chegou a hora. Que horas são?” – “Meia-noite e cinco.” Respondeu o menino, parado, e sabendo, mesmo sem perceber, que essa seria a primeira coisa que faria e que não teria a aprovação de sua mãe. Mas também era a primeira vez que não sentia medo. Era como se fosse inevitável. Como se fosse desonroso não fazer o que o velho pedia. Fez.

O apito da máquina do lado da cama ficou constante e ininterrupto. Seu bisavô tinha morrido. O barulho do outro lado da porta foi aumentando, e os passos começaram a se tornar murmúrios altos, e logo gritos. A porta estava trancada, ninguém conseguia entrar. Ouviu a voz de sua mãe aos berros do outro lado da porta. Ouviu pancadas barulhentas, mas não conseguia se mexer. O garoto apagou a luz do quarto, se encaminhou para a cama, abraçou o avô e dormiu. Os barulhos não o incomodaram, nem a gritaria e nem as batidas na porta. Tudo agora parecia equilibrado.

O Soldado Caído

“Quem está aí?” perguntou o mordomo. O silêncio interrompido pelo barulho estrondoso da chuva e dos trovões fez o mordomo perceber que não haveria resposta. Ele abriu a porta e se deparou com um soldado caído no parapeito da porta, completamente ensanguentado. Arrastou o corpo pesado para dentro da casa e fechou a porta. Ofegante, sentou-se na cadeira que estava ao lado e percebeu no braço do soldado um símbolo que há muito tempo não via. Aquele soldado deveria ter vindo de muito longe, pois os campos de concentração nazistas eram a mais de 10 quilômetros de distância dali. O símbolo era uma suástica, e o mordomo a reconheceu como um velho senhor reconhece o próprio filho.

“Senhor, temos um soldado caído na entrada da casa. Ouvi baterem na porta por volta das dez horas e fiquei até agora tentando acordá-lo. Vim apenas avisar que os médicos do senhor estão tomando conta do soldado, e que o senhor pode dormir tranqüilo, pois não deixaremos o rapaz partir sem que antes o senhor tenha uma conversa com ele.” Disse o mordomo, que estava coberto de sangue e com a aparência cansada. “Tudo bem. Obrigado. Você pode se retirar e tomar um banho, amanhã quando acordar trate de dar uma volta e conversar com sua família. Terá o dia de folga.” O senhor respondeu. O mordomo, grato, fez uma reverência e saiu do escritório.

“Olá.” Disse o senhor da casa para o soldado deitado na cama. “Olá”, ele respondeu. “Como se sente?” perguntou. “Bem, bem…” respondeu. “Muito bem,” começou o senhor, “espero que entenda que esta é uma casa de uma família tradicional. Aqui não aturaremos qualquer revolta referente a ataques que por algum motivo tenham o trazido para cá. Não sei por que estava na minha porta sangrando. Não quero agradecimentos e nem mais uma palavra vinda de você, apenas quero que se recupere, pois assim desejo a todos os meus semelhantes. A partir daí poderá tomar conta de si mesmo e partir de volta à sua casa. Já conversei com os médicos e sei o suficiente que gostaria de saber, só tenho uma pergunta a te fazer, e quero uma resposta simples… Os tiros que você levou foram dados por grupos do governo nazista?” O senhor fitou o rapaz como se estivesse em um julgamento de um criminoso. O rapaz respondeu: “não.” E o senhor virou as costas e saiu da sala.

“…tropas do exército americano tentaram mais uma vez atingir nossos domínios, e agora parece que estão novamente pretendendo nos atacar. Hitler disse em uma entrevista recente que não deseja permitir tropas de nenhum país inspecionar suas instalações de encarceramento de criminosos, e que apenas os deixará entrar se trocarem recursos necessários e que poderiam ser armas de uma futura guerra nuclear.” Queria mudar de canal, mas a televisão estava alta, e o soldado não estava perto do controle. Da primeira vez que ouvira a menção do nome do partido de que viera já sentira arrepios. Olhava envolta, no quarto, e por mais que procurasse, percebia que ali, pelo menos ali, não via nenhum sinal de apoio ao governo nazista por parte do dono da casa. Se levantou, já estava quase recuperado, e andou até uma escrivaninha ao lado da TV para procurar o controle remoto. Abriu as duas gavetas. Numa, a única coisa que encontrou foram uma fita adesiva e uma tesoura. Na outra, encontrou luvas, esparadrapos e algodão. Ao voltar pra cama, percebeu que embaixo dela, como se fosse um armário, existiam três gavetas. Abriu a primeira e logo de cara encontrou uma infinidade de coisas relacionadas ao governo nazista. Entre os artefatos estavam três revistas do governo de Hitler, três revolveres com suásticas, uma bandeira vermelha, um broche com uma suástica desenhada em um capacete em frente a duas espadas. No fundo do armário encontrou um pano vermelho com o símbolo do partido nazista desenhado em preto sobreposto num círculo branco. Assustou-se, pois aquele era idêntico ao que tinha em sua roupa de soldado. Ficou preocupado, pensando nas conseqüências de um soldado nazista sendo mantido na casa de opositores ao governo. Quase não se lembrava das últimas semanas passadas na casa, pois apenas tinha acordado para comer e tomar banho. Aquele quarto frio e com paredes de pedra era a única visão que tivera em meses, além da cara das enfermeiras, do médico e do mordomo, em visitas diárias, trazendo a comida.

“VOCÊ MEXEU AQUI?!” gritou o mordomo, acordando o soldado num susto. Olhou para a janela e percebeu que ainda era noite. “VOCÊ MEXEU? QUEM MEXEU?” voltou a gritar o mordomo. “Desculpe, desculpe, eu não sabia! Desculpe-me, eu prometo não contar a ninguém.” Respondeu, desesperado, o soldado. “Porque você mexeu?” perguntou o mordomo, se acalmando. “Estava procurando o controle remoto da televisão.” Respondeu. “Está aí do lado da cama.” E pela primeira vez o soldado percebeu um criado mudo com um abajur apagado a seu lado. “Ah, obrigado!” disse para o mordomo. “Você não pode contar o que viu aqui pro senhor desta casa. Nunca. Está me ouvindo? Você não contará a ninguém o que viu aqui. Não contará às enfermeiras, não contará ao senhor da casa, à senhora, aos seus próprios filhos, à sua própria mulher. Está entendido?” perguntou o mordomo, num tom de voz assustador, dominante, de poder. “Entendido.” Respondeu o soldado.

Ao longo dos dias, não viu mais o mordomo, e nem as enfermeiras nem o senhor da casa pareciam saber onde ele estava. Ouvira gritos durante a tarde daquele dia que pareciam ser de uma briga entre o senhor e a senhora da casa discutindo sobre o mordomo. Haviam três palavras que o soldado tinha certeza ter ouvido: vagabundo, puta e a mais revoltante de todas: nazista. Num brusco movimento, a porta do quarto onde o soldado estava se abriu, o senhor entrou e atravessou a cama com um olhar de canto. Chegou à cama e, ao se aproximar, o soldado assustou e pulou pro outro lado da cama, com medo do senhor ter descoberto sua origem e ter vindo o oprimir, ou algo pior. Mas não, o senhor se abaixou e abriu a gaveta onde o soldado havia encontrado os artefatos nazistas. O soldado chegou por trás e viu que a gaveta estava vazia. O senhor se levantou num salto que empurrou o soldado para traz e abriu o guarda-roupa aparentemente vazio também. Mas no fundo o senhor pôde ver. Viu aquele símbolo cujas ideologias eram tão nojentas que faziam uma nação inteira viver como ratos por quase setenta anos. Viu aquele símbolo que fora o responsável pela morte de sua mãe grávida. Ele viu a suástica, brilhando no fundo do armário.

O senhor saiu correndo e subiu as escadas, deixando a porta aberta. O soldado saiu e deu de cara com a estrela de Davi como um detalhe do espelho que enfeitava a escrivaninha da ante-sala do escritório do senhor. Ouviu gritos seguidos de murmúrios vindos do andar de cima da casa. Os barulhos de conversa foram aumentando e o soldado logo pôde ver as enfermeiras responsáveis por ele descendo às pressas em direção ao escritório. De lá, saíram cheias de malas e papéis nas mãos. Alguns caindo no chão e sendo recolhidos. O soldado apenas observava o caos. Todos os moradores da casa começaram a descer correndo pela escada e a se aglomerar cheios de bagagem no hall principal, onde um tapete marcava marcas de sangue que o soldado reconheceu como sendo seu. O senhor virou pra ele e disse “saia da casa agora.”

O soldado entrou em seu quarto de recuperação e vestiu suas roupas. Ao sair, encontrou a família apressada conferindo papéis e recarregando armamentos. Ele passou por eles e saiu da casa. Quando chegou do lado de fora, percebeu uma movimentação na rua de paralelepípedos que relembrava tempos de guerra, quando ainda era uma criança. Antes de poder dizer qualquer coisa, sentiu o peso de uma mão calejada tampando sua boca e o puxando para o lado da porta. Quando percebeu o que estava acontecendo, reconheceu alguns de seus colegas de trabalho. Um deles estava tentando avisar ao outro soldado de quem se tratava, mas o soldado pensava que fosse um morador da casa. Num outro canto, ao lado de soldados armados de escudos e metralhadoras, viu o mordomo da casa, com roupa militar do partido nazista.

Quando a família abriu a porta, não houve nenhum segundo de silêncio. As armas começaram a ser disparadas e gritos começaram a ecoar pela calma rua. Muitas pessoas que estavam na rua correram para dentro de suas casas e fecharam as janelas. O resto da família da casa conseguiu se abrigar no prédio e trancar a porta. Os corpos do senhor e de duas filhas estavam sangrando no chão da frente da casa. Dentro, era possível perceber o movimento. Os soldados começaram a chutar a porta. Depois de muitas tentativas, entraram e subiram as escadas. Um dos soldados começou a gritar, indicando o lugar onde o resto da família estava. Do lado de fora, o rapaz conseguiu se comunicar e ser reconhecido como parte do exército nazista. Depois de alguns minutos lá fora ouvindo as tentativas frustradas de penetrarem no quarto do segundo andar da casa, avistou a senhora e seus outros três filhos pela janela. Ela olhou para o ex-hóspede e fechou a cortina. Alguns tiros foram lançados à janela, mas nenhum parecia ter acertado o alvo. Um barulho veio de dentro da casa, e o rapaz percebeu que aquilo era o som da porta do quarto sendo aberta, mas ao invés de tiros, ouviu o silêncio. O silêncio foi interrompido por um único tiro. Pouco depois, os soldados desceram, carregando os corpos das três crianças e da mulher. Uma das crianças tinha um tiro na testa. Eles haviam se enforcado. Eram perceptivos os arranhões e a flacidez no pescoço. Os nazistas ergueram as mãos, em reverência ao líder do partido, e saíram em direção à base militar. O soldado perguntou: “Porque aquele tem um tiro na testa?” E o outro respondeu: “Porque ainda não tinha morrido.”

Anúncios

Resumo da minha vida em Junho

Eu pensei em fazer mais um vídeo fazendo um resumo dos meus favoritos de Junho mas a minha câmera tá sem pilha, as pilhas que eu compro não funcionam direito e eu já cansei de tentar fazer essa merda desfocativa funcionar. Então eu vou fazer em texto mesmo, desculpa os que não sabem ler, mas né, vamos lá.

A Guerra dos Tronos

Eu comprei finalmente esse livro que tanto se fala sobre. Demorei mesmo. Eu tava esperando ler pra assistir o seriado, mas já até tinha desistido. Recebi um dinheiro do tráfico de um trabalho que eu fiz e aí pude comprar esse tijolo de 50 reais. Tenho críticas grande sobre a edição, mas primeiro vamos falar da narrativa.

Fiquei muito confuso quando comecei a ler. Primeiro porque os capítulos têm nome de personagens. E segundo que os nomes são todos muito difíceis e parecidos, o que me faz não saber direito se eu conheço o personagem que me apresentam ou se é outro com o nome parecido. Acho que um pouco disso aconteceu porque eu estava tentando ligar o nome ao ator que interpreta o personagem no seriado, cujo vi o primeiro episódio. Mas já estou pegando, tomara que não apareçam mais personagens.

A edição que eu comprei imagino ser a única versão lançada em português. Ela tem orelha, é muito bem impressa e as páginas são amarelas. Mas tem um problema: pelo livro ser muito grande, a editora provavelmente tenha querido cortar gastos e acabou fazendo as letras ficarem extremamente pequenas numa página quase sem margem. Isso faz a leitura ficar cansativa e os capítulos parecerem pequenos. Mas enfim, eu uso o óculos e tudo fica bem. Mas por favor, se alguém de editora estiver lendo isso, não poupem gastos! Façam edições lindas. Isso fará vocês ganharem mais dinheiro ainda.

Before Watchmen

Lá em 2009 participei de uma promoção do Jovem Nerd que daria aos vencedores a versão definitiva de Watchmen junto com dois DVDs relacionados às HQs e um jogo de PS3 baseado no filme. Ganhei com muito amor e li. Virei fã incondicional de todos os personagens, da HQ e do filme. Tenho minhas críticas mas não vem ao caso. Agora em 2012 o Darwyn Cooke decidiu lançar pela DC a série Before Watchmen pra contar a história do grupo de heróis que existiram antes dos Watchmen e que inspiraram os Watchmen à ação. Comecei a ler e já percebi que o estilo é muito parecido com o de Watchmen e embora os desenhos deixem explícita a vontade de reproduzir fielmente a série original, o autor dos desenhos novos está saindo um pouco do que é conhecido pelos fãs, principalmente quando desenha personagens mulheres já conhecidas da série original. Mas enfim, né.

Skrillex – Bangarang

Pois é, dubstep me conquistou desde quando ouvi pela primeira vez. Eu sabia que esse estilo de música era o que estava faltando na minha vida. Baixei várias coisas, inclusive o CD do seriado Skins, que tem muito dubstep, e junto o CD do Skrillex, o Bangarang. CD muito bom. Pra quem gosta de dubstep e Skrillex é, com certeza, o melhor dele.

Linkin Park – LIVING THINGS

O Linkin Park finalmente lançou o álbum novo. Living Things saiu primeiro no iTunes e depois dia 16 de Junho teve o lançamento oficial. O álbum nem chega aos pés de A Thousand Suns, mas é bom. Melhor que o Minutes to Midnight. Nem vou falar muito aqui sobre isso porque já falei bastante de Linkin Park há pouquíssimo tempo aqui.

Tim Minchin & The Heritage Orchestra Live At The Royal Albert Hall

Já falei de Tim Minchin também, né, mas nunca é demais. O cara passou a vida de shows dele inteira fazendo performances só com seu pianinho e agora tem a Heritage Orchestra junto dele com arranjos maravilhosos para as músicas do show. Vale a pena dar uma olhada nesse sho absolutamente fantástico e totalmente diferente dos outros shows conhecidos dele. Vai aí navegar pelos mares piratas da internet que você acha o DVD para download.

E é isso, galera. Espero que vocês possam apreciar minhas dicas de leitura, música e todo o resto e até mês que vem, possivelmente com outro vídeo falando sobre as minhas conquistas intelectuais e amorosas do mês. Adiós.

As crianças leitoras e a supervalorização de suas atitudes

Posted in Arte, Artigo crítico, Design, Internet, Literatura, Texto by Igor on 03/07/2012

Era sempre comum ver até mesmo as pequenas mídias (nós) divulgarem que Harry Potter foi a série responsável por revidar a vontade de ler de crianças, mas aqui no fandon brasileiro avaliamos que esse comportamento não passou do primeiro passo. Os leitores não evoluíram.

Foi possível avaliar tal observação a partir da divulgação da capa do novo livro da mesma autora, o The Casual Vacancy, cujo qual faço parte de uma página de divulgação no Facebook. As reações foram diversas, mas as que mais me chamaram a atenção (e que também se mostraram gerais) foram aquelas que diziam que as capas do Harry Potter eram melhores.

Os leitores da saga infantil não se contentaram com o fato de que a autora do seu amado introdutório à leitura tenha mudado de estilo, tenha ido a um nível acima. Espero com minhas fajutas predições que nem metade dos fãs consigam ler o livro novo até o fim, pois o modo de escrita será completamente diferente. Possívelmente com vocabulário não muito melhorado por tradutores que ainda nem serão os mesmos da primeira série de livros.

É meio chocante se deparar com essa geração que se diz as crianças que começaram a ler por causa de uma literatura atual dizendo que está ansioso pelo lançamento do próximo livro apenas pelo mesmo ter sido escrito por J.K. Rowling. É frustrante saber que trabalhamos com pessoas que, se não parte desta pequena massa, ou são administradores ou formadores de opinião.